top of page

Como Farmar No Dota

Atualizado: 9 de abr. de 2023


Hoje você vai entender um pouco da fina arte da Carregar Jogos!



Jogando dota como uma empresa: Entenda o farm relativo

Farm relativo é literalmente o pilar que sustenta toda estratégia do dota. Não existe “farmar bem ou farmar mal” analisando friamente suas estatísticas de last hits. Hoje qualquer doteiro realmente habilidoso vai te dizer que “tudo depende do contexto do jogo”.

Calma, é bem mais simples do parece: sendo dota um jogo competitivo, seu resultado como farmer depende da comparação com o seu oponente.

Ou seja, ignorando matchups e heróis específicos, se numa partida de 40 minutos você matou 250 creeps, seu resultado foi horrível perante um oponente que matou 400, porém é um resultado formidável contra quem só matou 150. Simples não? É claro que a quantidade de last hits não conta a história toda, o correto é comparar gpm (ouro por minuto), hero damage, tower damage e até kda(kill's/mortes/assistências), mas calma, a gente vai chegar nisso, não tenha pressa. O que você precisa saber é que, pela natureza aleatória do jogo, seu resultado como farmer está intimamente ligado ao contexto de cada partida, em especial quando você compara o seu patrimônio com o do seu oponente.

Alguma vez você assistiu uma partida de campeonato ao vivo? Já reparou que na maior parte do tempo a estatística que fica destacada no canto superior esquerdo da tela é a contagem de patrimônio de cada herói do jogo (netWorth)? Dentre tantas outras opções, porque justo essa? Porque é ela que diz quem está vencendo.

Existem sim casos em que um time em desvantagem consegue dar uma sequência de outplays, manobrar as team fights e lentamente “roubar uma vitória”, mas na esmagadora maioria dos casos, o time com maior patrimônio vence.


No começo dói um pouco admitir, pois muita gente acha que estratégia, reflexos e coordenação são a receita do sucesso, no entanto, na sua mais pura essência, dota é nada mais que um cabo-de-guerra virtual, aonde vence quem acumula mais recursos que o outro time(principalmente quando falamos de jogos rankeados comuns), e aspectos como outpick, lane management e ordem de itens são apenas métodos de garantir que seu time estará na frente em recursos. Sim, derrubar a base do inimigo ainda é a única maneira real de vencer o jogo, no entanto nada vai facilitar essa tarefa como uma vantagem de 30mil de patrimônio, ou uma pilha de Aegis e queijos xD Esse é um conceito simples de entender, mas a aplicação prática não é, exige uma série de considerações ao redor de idéias que visam privar recursos do oponente e ao mesmo tempo amplificar os seus recursos. O que nos leva a pergunta central do artigo, e também a mais polêmica de todas:

Quando matar heróis e quando matar creeps?

Se você é leitor velho desse blog, provavelmente já está esperando uma longa resposta que acaba em “depende do jogo”, mas sinceramente, um excelente doteiro vai trabalhar a maneira mais eficiente de mesclar rotinas de farm, Split pushs, jogadas individuais e team fights com o time, tudo ao mesmo tempo, conforme a dinâmica da partida.

Eu sei que parece exagerado, mas não é: da mesma forma que um bom suporte passa a sensação de estar sempre em todas as lanes, dominar a visão no mapa inteiro e controlar o fluxo das lutas, um bom farmer consegue coletar uma penca de recursos do mapa ao mesmo tempo em que causa alto impacto nas lutas, sem nunca parecer ausente do time ou atrasado na build. Foi-se o tempo em que você podia ficar 40 minutos internado na jungle, e da mesma forma não existe mais essa de lutar meia hora sem parar e chegar no late game com uma treads + sange yasha, no dota de hoje farmar e lutar são ações que você precisa incorporar na sua jogabilidade de maneira integrada e fluída, tudo ao mesmo tempo.

E qual o segredo pra isso? Desenvolver uma boa rota de farm.

Mas para entender porque é tão importante esse papo de “rotas”, primeiro vou te contar uma história sobre outro conceito fundamental no mercado financeiro e em jogos competitivos, chamado de custo de oportunidade.

Resumidamente, toda vez que você clica pro seu herói fazer qualquer coisa, tipo andar até a base, há uma série de outras ações que você poderia ter feito ao invés dessa, certo? Tudo aquilo que você renuncia em troca da ação escolhida é o seu custo de oportunidade.

Se você deu tp pra empurrar a lane do top, renunciou o farm no bot, as runas do bot, e até os possíveis kills do bot. Se você resolveu usar o ult do Sven pra agilizar a morte do Roshan, renunciou a oportunidade de usar esse ult num gank imediatamente após pegar a aegis, e por aí vai! Absolutamente todas as ações do jogo tem um custo de oportunidade, desde a sua escolha de herói até o último ataque desferido na base inimiga, e a missão de um bom farmer é ponderar quais as ações que tenham o menor risco e a maior lucratividade.

E não é fácil pensar assim, pois existem muitas variáveis, vou dar um exemplo prático:

– Você está matando creeps da trilha ali na região entre as duas torres tier 1 do bot, e graças a uma Ward no rio percebe o respawn duma runa de Dano Duplo no bot, mas já tinha planejado matar os campos neutros que ficam entre a rota e a runa, eis as suas opções:

A – Jogada gananciosa: mata os campos neutros e depois pega a runa. Isso te dá o máximo de lucratividade, com um uso otimizado da runa para ganks ou farm acelerado, porém expõe a runa por preciosos segundos, dando margem para que o inimigo a pegue primeiro.

B – Jogada conservadora: pega a runa primeiro e depois limpa os campos. Essa jogada aumenta seu tempo andando sem farm, e piora o aproveitamento da runa (caso sem bottle), porém diminui o risco do adversário obter essa runa e punir você e seu time por isso.

Porém existe também uma opção secreta:

C – Antevendo o tempo no relógio do jogo, você investiu skills e itens para acelerar seu farm na lane, limpar os dois campos neutros, e passar por perto daquele local do mapa no mesmo instante em que o minuto virou, tanto pela possibilidade de runa de efeito, quanto pela garantia da bounty rune na jungle.

Não pense que a jogada C é perfeita, muito pelo contrário, ela é a jogada mais gananciosa de todas, mais até que a jogada A, pois a opção de torrar seus cooldowns em creeps pode te deixar exposto a um gank ou perder um kill garantido! Mas a diferença fundamental é que um jogador pouco preparado sequer teria considerado a possibilidade da jogada C! E é exatamente isso que você precisa considerar em seus jogos: o risco e a recompensa das suas decisões.

De fato, nesse mesmo exemplo pode existir a jogada D, E, F e mais trinta outras, e nem mesmo os melhores do mundo vão chegar num consenso de qual delas é a melhor, e é essa a coisa que eu mais gosto no dota: as diferentes maneiras de resolver problemas.

“Mas o que isso tem a ver com farm ?”

Tudo cara, tem 100% a ver com farm. Pois é analisando os prós e contras de cada micro decisão a sua disposição que você será capaz de compor uma robusta rota de farm, que é o verdadeiro diferencial para obter um farm espetacular.


Como jogar de acordo com a sua “gankabilidade”

Como falei ali em cima, sua meta no jogo não é matar 1000 creeps. Sua meta primária é derrubar a base inimiga, e seu método mais confiável para isso é obtendo uma larga vantagem de patrimônio, e ainda que matar creeps seja uma maneira segura de aumentar seu patrimônio, se o teu oponente também está os matando na mesma velocidade, na prática você não está conquistando muita coisa, apenas mantendo a partida empatada.

Você pode quebrar esse empate farmando dramaticamente mais rápido que seu oponente? Pode, mas isso depende de fatores como herói escolhido, build de itens, domínio de mapa e match-ups, e mesmo assim, pode não dar certo caso o oponente seja muito bom na outra maneira de liderar a corrida de patrimônio: te matando. Nenhum guia de farm pode ser levado a sério sem tratar disso, pois não estamos jogando sozinhos num gameboy, mas sim disputando recursos no mapa, e pra frear a progressão do oponente, nada melhor do que mandando ele pra escanteio, sem jogar por um minuto ou dois.

E por isso mesmo que eu inventei o termo gankabilidade, que significa: “sua capacidade de gankar e/ou ser gankado”. Sua postura no jogo, suas rotas de ataque, e praticamente todas as suas decisões enquanto carry são afetados pela sua gankabilidade, pois o jogo possui um fino balanço entre dois extremos:

A – Todas as suas escolhas voltadas ao farm enfraquecem sua gankabilidade B – Todas as suas escolhas voltadas ao gank enfraquecem o seu farm

O jogo inteiro gira ao redor desses dois extremos, começando desde a escolha de herói até os itens e rotas usados. Um time que se junta em cinco pra empurrar uma mesma lane está aumentando drasticamente seu poder de vencer lutas (gankabilidade), porém sacrificando recursos no mapa (farm), por outro lado, um time que está espalhado matando creeps em diferentes do canto está aumentando o farm do time, em sacrifício da susceptibilidade a ganks. Essa é a essência estratégica do jogo.

Pensa num Sniper que abriu de Maelstrom, contra outro que abriu de Shadow blade: o primeiro mata creeps mais rápido, porém tem menos recursos para iniciar ganks ou fugir de emboscadas do oponente, o segundo é o inverso disso, e saber como e quando mesclar suas decisões de gank e farm é a essência para se atingir o máximo impacto no jogo.

Por mais que isso resuma a tensão estratégica do jogo, a aplicação real desse conceito exige anos para se dominada, pois cada situação de jogo pode exigir decisões que amplifiquem seu farm ou sua capacidade de gank, dependendo do custo de oportunidade.

Vamos para um exemplo bem básico:

– Você está de Spectre na safe Lane, acabou de matar seu adversário ainda no early-game, porém a luta te deixou com menos de metade da vida, e seus suportes não possuem habilidades de cura, eis suas opções de jogada:

A – ir até a base encher a sua vida: essa é uma jogada que fortalece muito sua gankabilidade, te deixando aberto para novas lutas na lane, e desestimulando ganks em você, porém você perde umas duas waves de creeps na lane, atrasando sua progressão de itens e níveis.

B – Comprar regen via courier e continuar farmando na lane: essa é uma opção equilibrada, pois você continua crescendo em farm e níveis, e a janela de tempo em que você está desprotegido é pequena, além disso o ouro obtido pelos creeps compensa com folga o custo de salves/tangos/claritys/etc

C – Não comprar nada, e ficar farmando na lane: essa é a opção gananciosa, aonde há zero perda de farm com itens de regen ou idas ao santuário, porém também piora imensamente sua gankabilidade, já que dá incentivos pro outro time te gankar, e te impede de participar de lutas livremente.

Assim como no exemplo da runa, não existe resposta certa. Até mesmo a opção C pode fazer sentido caso o oponente não tenha meios de te gankar (ou seja passivo demais), mas decisões como essa vão recair sobre você o tempo todo, e cabe a você decidir o custo de oportunidade de cada uma.


Jogando com um pé no futuro: como antever seus próximos passos

Saber qual item fazer em cada jogo não é o papo de hoje, mas saber como seu herói vai se comportar na partida de acordo com os itens e níveis dele é fundamental, qualquer um sabe que a dinâmica da partida muda quando itens de alto impacto como Black King Bar ou Scythe of Vyse entram no arsenal de algum herói. Mas não são apenas itens, você precisa pensar no jogo além daquilo que está acontecendo no momento, e considerar qual será o estado de jogo daqui a 30 segundos, daqui a 1 minuto, daqui a 90 segundos, e por aí vaí.

Quanto tempo seu herói demora pra levar um campo médio de creeps neutros? Quanto tempo ele demora pra limpar um lado da jungle? Quanto tempo ele demora pra sair da lane top radiant e chegar na mid lane radiante, levando os creeps das duas lanes e os campos neutros entre eles? Você não precisa saber disso milimetricamente, mas precisa ter alguma noção disso para que sua rota de farm faça sentido.

Mas se você pensa que o objetivo de cronometrar esse tempo (ou ao menos ter alguma noção) é para treinar sua capacidade de matar 20 creeps por minuto, está redondamente enganado. O objetivo real de uma boa rota de farm é se adaptar as necessidades do jogo. Enquanto você pula de um canto pra outro, tem um trilhão de coisas acontecendo ao mesmo tempo, e logo depois de limpar uma onda de creeps, sua próxima ação no jogo precisa considerar uma penca de variáveis (fora de ordem de importância):

A – respawn de runas B – respawn de creeps neutros (e stacks) C – posição das waves de creeps em cada lane D – visão disponível no seu mapa (wards, skills, torres, creeps, etc) E – heróis que podem te gankar F – heróis que você pode gankar G – torres de pé no mapa (e cooldown dos santuários dos dois times) H – situação do Roshan I – situação dos heróis aliados e inimigos daqui alguns minutos (progressão e matchup) J – posição dos seus aliados no mapa (e cooldowns de cada um)

E muito mais!!

Pra piorar, cada um desses pontos que citei já daria um artigo inteiro nesse blog, pois eles mudam a cada instante no jogo, e com isso influenciam qual rota você deve tomar. Então deu pra imaginar o quão difícil é planejar uma rota de farm de acordo com cada jogo né?

E mesmo que você seja um robô capaz de ponderar tudo isso no automático, ainda precisa considerar o custo de oportunidade dentro das opções que você tem disponível, pois vão existir diferentes tipos de rotas, cada qual com um risco e um benefício diferente.

Uma rota gananciosa permite roubar mais runas, matar creeps neutros na jungle inimiga, pegar suportes de surpresa e com isso criar grandes oportunidades, por outro lado você pode cair em counterganks facilmente, não tem auxílio constante do seu time e ainda corre o risco de deixa-los expostos a uma luta em desvantagem numérica. Uma rota conservadora garante boas teamfights, facilita proteger locais específicos, mantem sua progressão de itens num ritmo confiável, viabiliza smokeganks e protege seus suportes, por outro lado você não está criando tantas jogadas, e corre o risco de ter que jogar reativamente (uma situação muito difícil em qualquer partida).

É possível perder jogos por culpa de uma rota ruim? Pessoalmente eu costumo dizer que 60% do que faz um bom carry é justamente o entendimento de boas rotas, e os outros 40% são excelência mecânica (teamplay, perícia com o herói, etc), então a resposta é um gigantesco sim!


Porque ninguém fala sobre isso?

Algo que me incomoda bastante em vídeos de dota no youtube, em especial nos canais que focam em highlights de grandes jogadores, é que eles abordam apenas excelência mecânica, com quase ninguém pontuando as rotas que o cara executou. Isso dá a impressão que o cara tirou todo o farm dele matando heróis (ou tirou duma cartola mágica), e também dá a impressão que ele sempre dá sorte pegando os adversários fora de posição ou fugindo de ganks, quando na verdade ele construiu toda aquela vantagem se colocando sempre numa boa posição no jogo, calculando os riscos de cada rota, e punindo os erros do adversário.

E é isso que faz um bom carry, ele sabe equilibrar os momentos em que precisar acumular gold com os momentos em que ele pode criar jogadas, de acordo com a situação especifica de cada momento da partida.

Você não vai ver analises assim em vídeos pois não dá muita audiência saber porque raios o cara deixou de matar um campo neutro especifico ou mudou a ordem de manta -> diffusal para diffusal > manta, e até mesmo canais No Youtube com essa premissa são raros, como o canal do Dota2Brasil.com e o canal do Felipe universidadedota.

Mas agora você já sabe, que por trás de todo Sven fazendo 25-0 no youtube, há muito mais do que simplesmente lascar ult->stun->rampage, o bom carry é construído em cada segundo de jogo, em cada micro decisão que protege o patrimônio do time e/ou agride o patrimônio do time inimigo, e a soma de todas essas pequenas vitórias é o que te permite carregar o seu time ao sucesso!




Gostou do texto? saiba que vc pode agendar uma aula conosco basta clicar na imagem e escolher qual plano de aulas vc preferir.








95 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


  • Whatsapp
bottom of page